GPP e PNUMA iniciam estudo sobre impactos da recuperação de pastagens degradadas na Amazônia Legal


Nesta quarta-feira (17), o GPP/Esalq recebeu Helena Neri Alves Pinto e Jay Amstel, representantes do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) para debater encaminhamentos do novo estudo firmado entre as entidades, cujo foco será a recuperação de pastagens degradadas - uma das tecnologias preconizadas no Plano ABC+ do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).


Intitulado “TEEB Agricultura & Alimentos”, o projeto tem como objetivo – em termos amplos – analisar os impactos socioeconômicos e ambientais da introdução de tecnologias de agricultura de baixo carbono, incluindo as mudanças nos estoques de capital (natural, produtivo, humano e social) e fluxos dominantes (por exemplo, serviços ecossistêmicos) nos estados da Amazônia Legal.


O foco será a recuperação de pastagens degradadas (RPD), eleita a principal prática/tecnologia a ser avaliada, seguida da tecnologia Integração Lavoura-Pecuária (ILP). Entende-se que a incorporação da tecnologia ILP pode se mostrar uma importante ferramenta na recuperação de pastagens no caso de produtores com perfil mais tecnificado ou especializado na produção de grãos.


A pesquisa buscará dar um enfoque na região do “Arco do Desmatamento”, composto por municípios inseridos na Amazônia Legal, onde se observam elevadas taxas de desmatamento devido, entre outros motivos, ao avanço da fronteira agropecuária ao longo das últimas décadas.


Como a pecuária é a atividade econômica do setor agropecuário que predomina na região, onde são encontradas áreas expressivas de pastagens subaproveitadas e degradadas, há enorme potencial de recuperação, cabendo ao estudo avaliar as consequências ambientais, econômicas e sociais desse potencial.


Além do GPP e do PNUMA, a iniciativa conta com o apoio da FGV Agro. Após a divulgação dos resultados, o estudo oferecerá subsídios ao MAPA no desenvolvimento de estratégias para execução do Plano ABC+ nos estados da Amazônia Legal.